Filippo Pitanga


Filippo Pitanga
CURADOR OLHAR CULT

Crítico e curador de cinema, advogado e jornalista. Mestrando em Comunicação pela ECO-UFRJ. Membro da ACCRJ/Fipresci. Professor na AIC e Sesc. Apresentador no Canal Like. Colunista da Revista Fórum e Carta Capital. Podcast Cinema em Série. Editor-chefe do Almanaque Virtual.

É uma grande honra fazer parte da edição de estreia do novo Festival Olhar Periférico. Ainda mais em poder compartilhar das mesmas ideias de democratização do acesso à cultura de forma descentralizada e irrestrita, a partir de uma arte feita por todos e para todos.

Um dos grandes diferenciais deste Festival tão necessário é justamente o de agrupar as principais obras que foram realizadas em territórios periféricos e por olhares plurais de forma contra-hegemônica, e em tentar, ao mesmo tempo, auxiliar num estímulo de visibilidade para estas obras na mídia e para o público em geral, pois ser visto e debatido é o que toda obra almeja.

A organização do Festival e a curadoria de longas-metragens preferiram trabalhar de modo diferente do trabalho com os curtas-metragens. Ao invés de uma seleção de inscrição aberta, preferimos reunir alguns dos maiores exemplares dos últimos anos que ajudaram a reocupar o imaginário afora dos habituais territórios de produção, que já costumam receber todos os investimentos públicos e as ferramentas de distribuição e exibição.

Por isso mesmo, já que se trata de uma categoria de longas-metragens que descentralizam e descolonizam um sistema hegemônico, ainda mais diante do atual desmantelamento de políticas públicas de investimento e patrocínio no cinema brasileiro, quiçá o realizado de forma periférica, nomeou-se a Mostra como Olhar Cult como um manifesto!

É uma declaração de que essas produções feitas fora dos eixos de sempre e por equipes plurais são sim possíveis, pois já deixam uma merecida marca digna de ser celebrada e pavimentada para os próximos que virão. E a edição que serve de gênese para o Olhar Periférico está homenageando todos aqueles que produzem diariamente na força da resistência e da guerrilha num mercado extremamente desigual, dando o exemplo para que muitos mais possam seguir esses passos e nas próximas edições talvez presenciar cenários menos injustos de produção nas políticas públicas brasileiras e tenham muitas mais possibilidades de produção e inscrição em nosso Festival.

O Olhar Cult é composto por sucessos de crítica e público que se distribuem por todas as regiões do Brasil e por vários estados e cidades do interior, de modo a representar a grande diversidade do país e de sua produção periférica, que talvez não alcançasse seu real potencial de público não fossem Festivais aguerridos como este que ora se acrescenta no cenário e de modo virtual para alcançar ainda mais pessoas com nossa arte de ponta.

Alguns dos elencados são de tempos diferentes e angariaram diversas premiações em diferentes Festivais, e será a primeira vez em que muitos estarão juntos numa só Mostra, para ver e rever um seguido do outro de acordo com suas potências individuais e conjuntas, de acordo com o desenho curatorial e temático que foi feito de suas essências com os curtas-metragens a serem exibidos nos dias correspondentes. Preparem-se para sessões transformadoras.